preloader

E a glória ali tão perto

E a glória ali tão perto

Solidário quando foi preciso, unido em todos os momentos, felino sempre que se espreitou uma oportunidade. O Vitória empatou sem golos no reduto do candidato ao título SL Benfica, mas até teve a glória ali tão perto, à centímetros do poste esquerdo da baliza guardada por Vlachodimos. Estávamos a escassos segundos do final e Edwards serpentou à frente da defesa encarnada, antes de desferir um remate que parecia ter selo de golo, mas que caprichosamente saiu ao lado.

Na 17.ª jornada, a equipa de João Henriques patenteou o seu crescimento emocional e voltou a bater-se com o maior orçamento do futebol português, perante o qual já havia empatado em jogo a contar para a Taça da Liga. Era sabido que o SL Benfica se mostraria afoito, fruto de um exacerbado sentimento de reação que ao longo da semana esteve bem patente na voz dos seus responsáveis.

A essa predisposição ofensiva foi preciso responder com galhardia. E o Vitória teve-a nas doses certas, sólido no seu coletivo e muito arguto para a gestão de todos os momentos, sabendo exactamente o que fazer em cada circunstância. É verdade que a 1.ª parte foi curta na capacidade de saltar ofensivamente, mas essa investida estratégia seria dada após o descanso, com chegadas cada vez mais incisivas e que deixavam em aberto qualquer resultado.

Sim, é verdade que o SL Benfica apostou tudo e que também criou oportunidades, mas na fase em que tudo se decidiu o Vitória não se encolheu, antes esticou o campo e foi em busca dos pontos que havia em disputa.

Não chegou, mas para o registo fica uma 1.ª volta de Liga NOS sem qualquer derrota fora de portas. Os Conquistadores permanecem em Rio Maior até ao jogo de segunda-feira, no Jamor, frente à Belenenses SAD.