preloader

Cartão do Adepto debatido no D. Afonso Henriques

Evento organizado pela Comissão do Centenário vitoriano

Foi uma noite repleta de partilha de perspetivas e troca de ideias a que se viveu na bancada sul do Estádio D. Afonso Henriques, envolvendo diversos quadrantes do futebol português, com o debate sobre o Cartão de Adepto, promovido, nesta sexta-feira, pela Comissão do Centenário do Vitória SC.

Com uma plateia composta por diversos elementos afetos ao Vitória SC, entre os quais o seu Presidente, Miguel Pinto Lisboa, e ao futebol português, o debate cedo começou com a introdução do moderador Emídio Guerreiro, membro da Comissão do Centenário, que apresentou os diversos participantes.

Para Rodrigo Cavaleiro, Presidente da APCVD, entidade aplicadora da lei que implementa o Cartão do Adepto, esta é uma medida que está na sua fase inicial, defendendo que a medida não está vetada ao insucesso, quando o que o legislador pede a quem quer ocupar determinada zona dos estádios é que os adeptos saiam do anonimato. Acrescentou que, no que toca a alterações solicitadas às entidades competentes, as zonas dedicadas a adeptos visitantes estarão divididas entre os portadores de Cartão do Adeptos e os que não o têm.

Helena Pires, Diretora Executiva de Competições da Liga Portugal, enfatizou a importância da partilha das diferentes ideias, focando na necessidade da promoção de um produto televisivo desportivo, na antecâmara de uma centralização de direitos desportivos, e cuja existência de zonas sem adeptos não enobrece o espetáculo.

O Diretor de Comunicação do Vitória SC, André Viana, partilhou a ideia de que a aplicação do Cartão do Adepto é uma medida desnecessária, na medida em que já existem ferramentas disponíveis para erradicar a violência do desporto, sendo importante implementar decisões que não fomentem qualquer discriminação sobre os adeptos.

João Lobo, vice-Presidente da Associação Portuguesa de Defesa do Adepto (APDA), considera que a identificação trata os adeptos com uma presunção de culpa, salientando a importância de os mesmos fazerem parte das tomadas de decisão e a expressão e vontade crescentes contrárias à aplicação deste cartão.

O debate contou, também, com as participações do Oficial de Ligação aos Adeptos do clube vitoriano, Francisco Canário, e dos sócios do Vitória SC, Marco Talina e Vítor Pacheco.

Esta foi a primeira iniciativa da Comissão do Centenário do Vitória Sport Clube, que visa celebrar os 100 anos do clube vimaranense.