preloader

Bruno Duarte: “A palavra-chave foi resiliência”

Avançado foi o MVP Cerveja Sagres do jogo com o FC Paços de Ferreira

Decisivo na vitória sobre o FC Paços de Ferreira, Bruno Duarte foi eleito o MVP Cerveja Sagres da partida a contar para a 13.ª jornada da Liga Portugal bwin, depois de contribuir com um golo, uma assistência e um jogo de grande entrega. “Foi especial, foi muito bom. É sempre bom poder viver momentos como este, de vitória, de três pontos fora de casa, da equipa toda unida para uma reviravolta, com um resultado difícil de alcançar. Estamos muito felizes e motivados já para o próximo jogo, com o CD Tondela, em casa.”

Fundamental na conquista dos três pontos, o momento alto da exibição do avançado brasileiro chegou aos 90 minutos, quando marcou o golo que deu o 1-2 final, mas na retina fica, também, a recuperação de bola no meio-campo defensivo e os 83 metros que correu até rematar para o fundo da baliza pacense. “Foi tudo muito rápido, lembro-me de ter recuperado a bola lá atrás, deixei para o Janvier, que deu para o Sacko que lançou a bola para o Edwards, e eu só pensei em correr para a frente. Quando o Marcus recebeu a bola, eu já estava em progressão em velocidade para a área, o Oscar atacou bem o primeiro poste, arrastando os centrais e eu fui feliz em encontrar o espaço na área para rematar. O Marcus também me viu bem e correu tudo muito bem. Foi um momento muito feliz.”

Ao intervalo, e a perder por 1-0, Pepa lançou Oscar Estupiñan em campo, que fez dupla na frente de ataque com Bruno Duarte nos segundos 45 minutos. A parceria deu frutos, com ambos jogadores a marcar os golos do triunfo vitoriano, e a equipa a demonstrar uma grande capacidade de reação à adversidade. “A palavra-chave foi resiliência. A equipa soube aguentar um momento menos bom, soube ter cabeça fria e colocar os pés no chão. O nosso treinador também esteve bem no intervalo, fazendo as substituições e motivando-nos para mudar o jogo e acho que foi um trabalho excecional de todos, dos adeptos que nos empurraram também, e que resultou na reviravolta. A equipa soube-se portar bem, tanto com o esquema que iniciou, como quando ficou com dois avançados. O nosso meio-campo conseguiu segurar muito bem a bola, conseguiu dar qualidade, mesmo com menos jogadores no meio, e isso ajudou-me muito e ao Oscar na frente, que por consequência pressionávamos mais a defesa adversária e deu-nos mais poder de ataque. Fomos muito felizes.”

O duo Duarte – Estupiñan mostrou grande ligação, à qual o avançado brasileiro atribui como razão a relação que ambos têm. “Eu e ele damo-nos muito bem, tanto dentro como fora de campo, temos uma boa ligação e dentro do campo comunicamos muito, sempre que um tem de subir mais, e outro de baixar mais, comunicamos muito. Puxamos muito um pelo outro, apoiamo-nos um ao outro e correu muito bem quando estivemos os dois na frente e vamos continuar a trabalhar para que dê sempre certo.”

Com seis golos marcados nesta temporada, Bruno Duarte já duplicou a marca da época passada e caminha, a passos largos, para a melhor época da carreira. O bom registo dá uma confiança acrescida ao jogador de 25 anos. “Claro, todo o ponta de lança quer fazer muitos golos na temporada. É o objetivo, mas mais importante que fazer golos, é ajudar a equipa de qualquer forma, seja com assistências, com um desarme de bola, com qualquer que seja o pedido do treinador, ou que possa ajudar a minha equipa. Fazer golos é especial, é diferente, e é isso que procuramos fazer todos os jogos e trabalhamos muito durante a semana para isso. Procuramos sempre evoluir, trabalhar nas nossas fraquezas e melhorá-las, aperfeiçoando ainda mais o que temos de bom e é isso que tento. Ouço o que os mais experientes me dizem, que também ajudam, têm uma outra visão e acho que isso acrescenta muito ao grupo de trabalho. Aprendemos muito uns com os outros e isso é muito importante.”