preloader

Jota: “É uma questão de oportunidade e eu quero agarrar a minha”

Avançado é dos mais jovens na equipa B

Chegou menino ao Vitória e é com a ‘branquinha’ que tem crescido no mundo do futebol. A criança João Pereira tem, por isso, dado lugar ao jovem Jota. Adotou o nome “artístico” e é este que tem surgido nas últimas convocatórias do mister Moreno.

Jota tem vindo a merecer a confiança do treinador vitoriano e o golo diante do Anadia, que resultou num importante triunfo, serviu para o jovem ganhar confiança e, ao mesmo tempo, mostrar ao ‘mister’ que pode contar com ele. Desde então, o número 87 tem vindo a faturar e mostra-se cada vez mais integrado. “Esse golo veio provar que nunca devemos desistir mesmo quando não estamos a ser opção. Na altura, entrei e marquei e isso catapultou-me para um momento mais positivo. Já marquei mais três e até bisei com o Pevidém. É uma questão de oportunidade e eu quero agarrar a minha. Lido bem com a pressão de ter de marcar mas também sei que o mais importante será sempre aquilo que eu posso dar ao jogo e contribuir para outros golos”, disse.

Há nove temporadas no Vitória SC, Jota é o jogador que também é adepto. Há outros na equipa e, também por isso, a união é um dos fatores que permitem à equipa B seguir firme na Liga 3. O avançado reconhece ainda que a forma aguerrida e comprometida como a equipa se apresenta – e os últimos minutos diante da UD Oliveirense são prova disso – são um espelho do seu líder. “O mister quer sempre que a equipa jogue com qualidade porque é isso que nos dará condições para chegar à equipa A. Mas, além dessa exigência, todos sabemos que com ele não podemos vacilar. Não podemos achar que já não chegamos à bola e desistimos de correr. Não podemos ter medo de disputar um lance. E é até engraçado ser treinado pelo Moreno porque eu ia ao estádio e via-o a jogar, tratava-o como qualquer adepto. E agora tenho-o ali à minha frente a dar-me ordens e a ensinar-me como ser melhor jogador e melhor pessoa. Acho que todos temos a ganhar com isso porque ele conhece bem esta casa e pode ensinar-nos muita coisa”, afirmou.

A boa disposição no grupo é também uma constante. É certo que “a cara de quem ganha não é a mesma de quem perde”, mas o grupo procura “ter sempre um sorriso no rosto”. “Estamos sempre alegres nos treinos porque somos um grupo muito unido. O mister Nuno Santos, entre outros, também contribui imenso para isso. E o que é fantástico é que ele consegue ser divertido, provocar momentos muito engraçados, mas também ser muito exigente e rígido com os atletas. Quando é para treinar, não brinquem com ele!”, acrescentou.

“Tinha o sonho de pilotar aviões”

Vitoriano e vimaranense, Jota não precisou ainda de cumprir viagens longas para lutar pelo seu objetivo: chegar à equipa principal. A distância é, para já, curta, no entanto, se o destino o levar a outros lugares, o avançado poderá usar, com maior frequência, um dos seus meios de transporte preferidos: “Gosto de aviões, de alturas. Tinha o sonho de pilotar aviões e quem sabe se um dia não realizo este desejo. Para já, estou quietinho e foco-me no meu maior objetivo que é chegar à equipa A. Aliás, é o objetivo de todos aqueles que cá estão”.