preloader

Campeões do polo aquático em Tertúlia do Centenário

“Ninguém pode colocar em causa esta época imaculada por causa de um jogo”

As piscinas municipais de Guimarães, palco de várias conquistas, receberam esta segunda-feira, mais uma Tertúlia do Centenário, desta vez dedicada ao polo aquático.

André Rocha, Dumitru Sobetchi, Nuno Fernandes, Pedro Coelho Lima, Pedro Magalhães, Pedro Pastor e Rui Ramos, antigos e atuais jogadores, dirigentes e treinadores falaram na primeira pessoa sobre o percurso e as conquistas de uma modalidade que apesar ainda não ser cabeça de cartaz, já ocupou um lugar de destaque juntos dos vitorianos.

E que conquista atletas que mesmo não sendo vimaranenses, como é o caso de Rui Ramos, já se sentem em casa na cidade berço. O melhor marcador do último Campeonato de Portugal, apesar de não estar no clube desde o início do projeto, já alcançou o sonho de ser campeão. E muito mais.

“Vir para o Vitória foi o melhor que aconteceu na minha carreira. Foi aqui que consegui ser campeão nacional e apesar de poder ter corrido melhor, ganhar 4 troféus em dois anos é quase o melhor possível”, afirmou.

A final da Taça de Portugal ainda está bem fresca na memória e a frustração de não alcançar um inédito triplete não foi escondida. Pedro Coelho Lima ex-jogador e dirigente vitoriano deixou bem claro que “ninguém pode colocar em causa esta época imaculada por causa de um jogo”.

Mas o passado fica lá atrás e o futuro está já em cima da mesa. E de acordo com Nuno Fernandes, atleta vimaranense e vitoriano, a ambição desta equipa continua bem viva: “Estão aqui seis taças e o nosso objetivo é que no próximo ano estejam nove”.

Entre histórias de balneário, momentos formadores de caráter e abundantes gargalhadas, o serão nas Piscinas Municipais foi de partilha e união entre campeões nacionais e adeptos, com juras de futuras conquistas de um lado e presenças nas bancadas do outro.