preloader

João Henriques: “Um clube cada vez mais forte”

Treinador vitoriano na antevisão ao jogo com o FC Famalicão

Com um jogo há apenas três dias, João Henriques mostrou confiança na capacidade da equipa em manter o nível exibicional já neste domingo, onde defrontará o FC Famalicão, em partida a contar para a 15.ª jornada da I Liga. “Houve a preocupação de recuperar a equipa, mas temos plantel e jogadores que dão garantias para estarmos com os melhores para o jogo, mediante as características do adversário e do contexto que pode tornar o campo mais pesado. Os 22 que vão ser convocados vão estar todos aptos para ir a jogo. O trabalho de recuperação foi bem feito e todos estão desejosos de ter mais minutos, como por exemplo o Wakaso, queremos que ele jogue mais. Há muita confiança em todos eles e o Vitória vai ser competitivo para conquistar os três pontos.”

Sobre o adversário de amanhã, o treinador vitoriano não duvida da qualidade do conjunto famalicense. “Vamos ter um Famalicão mais confiante, com mais opções, uma equipa perigosa, num momento melhor, que já mostrou alguma solidez nos Açores. Os reforços já têm mais tempo de treino, são mais conhecedores das ideias do treinador, o grupo ficou mais forte. O Vitória terá de ser muito competente para ultrapassar um adversário de valor. A tabela demonstra que há muito equilíbrio, todas as equipas são difíceis, pontuar é tremendamente difícil, seja em casa ou fora”.

O coletivo do Vitória SC tem tido uma notória evolução e João Henriques mostrou-se contente com os jogadores à sua disposição, num mês de janeiro em que o mercado de transferências encontra-se aberto. “Estou plenamente satisfeito com o plantel, estamos muito atentos ao desempenho dos jogadores da equipa B e dos sub-23 e esse é o principal campo de recrutamento, mas estamos também atentos a um mercado que tem mexido muito pouco. Somos muito exigentes e jogando cada vez mais e melhor, somos alvo de cobiça, o que é bom para o clube. Se houver saídas ou entradas as mexidas serão muito criteriosas e cirúrgicas. É com estes que contamos até final da época, a não ser que até ao fim do mês haja alguma coisa boa para o clube e para os jogadores.”

A acompanhar a qualidade exibicional estão as performances individuais, interligadas nos 90 minutos de jogo. O treinador do Vitória SC ressalvou a competência coletiva da equipa. “A equipa tem crescido no seu todo e as individualidades saem potenciadas. O Ricardo Quaresma fez o jogo que fez porque a equipa sustenta as suas capacidades e o Oscar Estupiñán tem atrás de si alguém que lhe faz chegar a bola. As individualidades vão ser mais evidenciadas porque o coletivo cresce. Nas alas temos o Quaresma, o Edwards, o Rochinha e o Lameiras. Quem é que não os queria ter? O meio-campo está a funcionar na perfeição, está ligado e não são só os três que têm jogado. Somos uma equipa, uma família e um clube cada vez mais forte e as coisas começam a correr melhor.”