preloader

“Ser capitão superou as minhas expectativas”

David Vieira é um dos titulares da equipa de Sub-19

“É ele e mais 10”! A frase, que contempla um elogio a qualquer jogador de futebol, surge como ideal no contexto que lhe iremos apresentar. A cumprir a segunda temporada na formação vitoriana, David Vieira é um dos titulares indiscutíveis na equipa de Sub-19, orientada por Rui Tomé.

O ‘mister’ parece contar sempre com o jovem atleta e, também por isso, o nomeou como um dos capitães. A escolha deixou o médio orgulhoso mas também consciente da responsabilidade de usar a braçadeira do Vitória Sport Clube. “Todos os jogadores devem ter um pouco de capitão. No ano passado, eu já me sentia um bocadinho assim e tentava ajudar todos os colegas. Sou um jogador que gosta de puxar pela equipa e acho que tenho cumprido bem a missão de liderar o grupo dentro de campo. Ainda assim, confesso que não estava à espera de ser já capitão e que essa escolha superou as minhas expectativas. Ter essa visibilidade, essa responsabilidade num clube como o Vitória deixa-me muito orgulhoso”; começou por dizer.

Moralizado com a escolha, David Vieira deu então início a uma época que se tem revelado “bastante positiva”. O jogador, de 18 anos, tem contribuído para que a sua equipa se mantenha nos quatro primeiros lugares do campeonato. Uma classificação que o médio espera manter e assim garantir, novamente, um lugar na Fase Final. “Nos últimos anos, o Vitória não tem conseguido o apuramento para a disputa de campeão e este grupo quer voltar a fazê-lo. Pensamos nisso dessa forma, com o objetivo de voltar a colocar o Vitória no lugar entre os melhores do país. Penso que temos feito um campeonato regular e que iremos conseguir o objetivo”, projetou, fazendo ainda uma análise mais criteriosa ao percurso: “Sabemos aquilo que temos feito bem e o que temos feito mal. Por exemplo, o 3-3 em Paços de Ferreira aconteceu por alguma falta de maturidade da nossa parte mas isso vai-se ganhando com os jogos. Já cometemos erros por distrações, por falhas individuais que depois se pagam caro neste campeonato. Penso que a equipa está a evoluir muito bem e toda a gente está a superar as expectativas”.

“Sou um jogador com boa visão de jogo”

Falar de nós próprios pode revelar-se uma tarefa bastante difícil. A auto-caracterização pode, por vezes, ser entendida como propaganda ou vaidade. Ainda assim, lançamos o desafio ao médio vitoriano e ele acedeu: “Sou um jogador inteligente, com boa visão de jogo e com bom passe. Consigo ajudar os meus colegas e considero ter liderança dentro de campo”.

Fora das quatro linhas, David Vieira procura ser igualmente um exemplo. De colega e de bom filho. Depois de completar 18 anos no passado mês de junho, o jovem atleta encontra-se a tirar a carta de condução para “dar descanso à minha mãe”. “Ela é que me traz para Guimarães e eu depois regresso a Gaia na carrinha do Vitória. Sei reconhecer todo o esforço que os meus pais têm feito por mim e não é à toa que eles nem queriam que eu começasse a jogar futebol, pois já sabiam que lhes iria dar trabalho (risos)”, brincou, lembrando o início daquela que é hoje a sua grande paixão: “Eu ponderei praticar Judo porque não precisaria de despender tanto tempo mas aos 7 anos lá fui para o Arcozelo, em Gaia. Os meus primos jogavam à bola e como passavam muito tempo em minha casa, acabei por ser influenciado por eles”.